View Notice

IC para Avaliação do Impacto da Área de Comércio Livre em Africa (ACLA)e da Zona de Comércio Livre da Comunidade Económica dos Estados da Africa Central (ECCAS),
Procurement Process :Other
Office :São Tomé and Príncipe - SAO TOME AND PRINCIPE
Deadline :07-Nov-19
Posted on :24-Oct-19
Development Area :CONSULTANTSCONSULTANTS
Reference Number :60575
Link to Atlas Project :
00100017 - APPUI AU CPD 2017-2021
Documents :
IC procurement Notice
Letter of offeror Form
Form of Breakdown of cost
Overview :

Caríssimos,

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) na República Democrática de São Tomé e Príncipe leva ao conhecimento dos interessados que se encontra aberto o concurso para a consultoria para Avaliação do Impacto da Área de Comércio Livre em Africa (ACLA), e da Zona de Comércio Livre da Comunidade Económica dos Estados da Africa Central (ECCAS), em São Tomé e Príncipe.

A proposta técnica (com a menção "OFERTA TÉCNICA") e a proposta financeira (com a menção "OFERTA FINANCEIRA") devem ser enviadas em envelopes separados, estando ambos os envelopes contidos num terceiro envelope exterior que deverá ser enviado em envelope fechado para o endereço abaixo indicado:    

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)

Escritório do PNUD São Tomé

Com Referência: RECRUTAMENTO DE UM CONSULTOR PARA ACLA/ZLECA & ECCAS

Para a submissão eletrónica, o licitante deverá apresentar suas propostas técnicas e financeiras em dois ficheiros diferentes (versão PDF) e enviados para o endereço eletrónico: procurement.st@undp.org .

As propostas devem ser submetidas para os endereços acima indicados o mais tardar até o dia 7 de novembro de 2019 as 17h00.

Para questões de clarificação, o licitante deverá enviar um e-mail para o endereço eletrónico : domingos.mazivila@undp.org, com cópia para: antonia.daio@undp.org; claudio.vicente@undp.org

1. CONTEXO

A República Democrática de São Tomé e Príncipe (STP) abriu-se recentemente ao mercado livre e ao comércio exterior, com o objetivo global de diversificar e promover a modernização da economia. São Tomé e Príncipe é membro da Comunidade Económica dos Estados da África Central (ECCAS), uma comunidade que até agora só alcançou um grau muito limitado de integração ou harmonização. STP não é membro da Comunidade dos Estados Membros da Africa Central (CEMAC), e beneficia do acesso a este mercado de forma muito limitada. Em 2004, o governo assinou um acordo de cooperação comercial com a CEMAC, que estabeleceu a base jurídica para a criação de uma área de livre comércio entre o grupo e STP. Mais recentemente, STP assinou e ratificou com a União Africana o Acordo para o estabelecimento da Área de Comércio Livre Africana (ACLA); um mercado de 1,2 mil milhões de consumidores sem fronteiras ou barreiras aduaneiras com um PIB potencial de 2500 mil milhões de dólares, o maior mercado livre de bens e serviços desde a criação da Organização Mundial de Comércio (OMC) e que irá aumentar o comércio intra-africano em 60% até 2022.

STP também assinou um acordo de comércio livre com a União Europeia (Acordos de Parceria Económica), uma das principais zonas económicas do mundo com um produto interno bruto (PIB) de 16,210 mil milhões de dólares e um mercado com mais de 500 milhões de consumidores. Este acordo permitirá a abertura de novas oportunidades comerciais, atrairá mais investimento direto estrangeiro (IDE) e reduzirá o custo das exportações e importações com um dos nossos principais parceiros económicos.

É neste contexto que o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) propõe esta assistência ao Ministério do Turismo, Cultura, Comércio e Indústria (MTCCI) a realização de um estudo para avaliar o impacto destes acordos de comércio livre, e em particular da ECCAS e da Área Continental de Comércio Livre em Africa (ACLA), na estrutura e, de um modo geral, no estado da economia e ver se STP será capaz de apoiar e controlar esta nova orientação em diferentes fluxos. Para isso, recomendamos a revisão da Matriz Geral da Balança Comercial (MGBC) para fazer essa avaliação.

A MGBC reflete os principais fundamentos da economia Santomense e faz uma projeção muito macroeconómica, que não tem em conta a dimensão do comércio externo, pelo que, recomenda-se a desagregação para criar uma parte única e ligada ao comércio externo.

É neste contexto que o Ministério do Comércio em particular gostaria de recorrer a uma consultoria ou a uma empresa de consultoria para realizar este este importante estudo.

 

 

 

2. DESCRIÇÃO DE TAREFAS E RESPONSIBILIDADES

Objetivo global da consultaria

  • Fazer a revisão da Matriz Geral da Balança Comercial (MGBC),
  • Desagregar a Matriz a fim de criar uma secção relacionada ao Comércio Exterior,
  • Desagregar a secção «resto do mundo» da MBGC em 5 secções, nomeadamente: ALCA, ECCAS, UE, China e Resto do Mundo,
  • Realizar um estudo de impacto dos tratados (ACLA e ECCAS) para permitir à São Tomé conhecer as vantagens e desvantagens de tais acordos e quais os desafios a superar,
  • Permitir à São Tomé identificar os sectores estratégicos através dos quais pode obter vantagens comparativas, e accoes concretas que o pais pode tomar de curto e longo termo.
  • Fazer uma perspetiva destes acordos e do seu impacto na balança comercial,
  • Propor opções para diversificar os mercados de exportação.

 

  1. Metodologia

 

  • Rever a Matriz Geral da Balança Comercial (MGBC) e criar uma secção dedicada ao "Resto do Mundo" e também desagregar a secção "Resto do Mundo" da MGBC em 5 blocos: ACLA, ECCAS, UE e Resto do Mundo,
  • Efetuar um diagnóstico e um inventário exaustivos do comércio externo de São Tomé e Príncipe com a ACLA e a ECCAS e, neste contexto, definir estratégias e ações para a STP,
  • Analisar a evolução e a estrutura do comércio externo Santomense com a ACLA e a ECCAS e implementar uma política comercial e uma estratégia para desenvolver o comércio externo do país com ambos os blocos,
  • Identificar os obstáculos, constrangimentos e desafios a ultrapassar por estes acordos e identificar as questões atuais e futuras relacionadas com estes acordos (ACLA e ECCAS),
  • Especificar todos os sectores exportadores ou potencialmente exportadores de STP a partir dos quais se pode ter vantagens comparativas, os pares produto-mercado a promover, bem como os instrumentos promocionais, analisando as configurações competitivas e as cadeias de valor.

 

  1. Processo de consultoria

 

Qualquer que seja a abordagem a ser adotada, este estudo deve incluir as seguintes dimensões:

  • Estabelecer pelo menos um caso de comparação com outro país semelhante a este estudo,
  • Uma impregnação de experiências vindas de outros países,
  • Uma colaboração, uma sinergia e uma complementaridade entre o consultor e o MTCCI.

 

  1. Resultados esperados

 

  • A MBGC é revista e atualizada e são criadas subsecções contendo ACLA, ECCAS, UE e Resto do Mundo,
  • Uma estratégia abrangente para o comércio exterior de STP com a ACLA e a ECCAS é estabelecida, que destaca os desafios a serem superados e os benefícios a serem capitalizados,
  • Uma visão à luz do estudo que permitirá à STP
    • Dinamizar o comércio e o investimento estrangeiro com a ACLA e a ECCAS
    • Maior participação no diálogo político com os membros da ACLA e da ECCAS, nomeadamente nos domínios da segurança, da migração ambiental,
    • A entrada de insumos de qualidade a preços competitivos,
    • Reduzir a balança comercial do país, capitalizando o comércio com ambas as zonas.

 

4.Organização da Missão

A Direção Geral de Comércio fará o seguimento do estudo. A Direção irá fornecer ao consultor toda a documentação relevante e fornecer o apoio necessário para a organização de nomeações e diferentes sessões de trabalho.

 

  1. ENTREGAS E CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

Entregas

Pagamentos

  1. Submissão da nota metodológica preliminar, definindo (mas não necessariamente limitada a) o esboço do relatório, os dados a recolher, o prazo de análise e o cronograma para a preparação do relatório.

Pagamento da primeira prestação

(20% do montante total)

  1. Submissão do relatório provisório incluindo os elementos analíticos indicados na consultoria

Pagamento da segunda prestação

 (40% do montante total) :

  1. Apresentação do relatório final validado pelo patrocinador, em suporte papel e digital.

Pagamento da terceira prestação

(40% do montante total)

6.LOCAL DE EXECUÇÃO DA CONSULTORIA

A consultoria terá lugar em São Tomé e Príncipe, podendo o consultor trabalhar parcialmente de forma remota mediante o plano previamente acordado.

 

  1.  FINANCIAMENTO

O financiamento deste estudo será assegurado pelo PNUD, de acordo com as modalidades da organização.

 

 

 

 

3. QUALIFICAÇÕES E EXPERIÊNCIA REQUERIDAS

 PERFIL DO CONSULTOR:

 

 

 

4. DOCUMENTOS QUE DEVEM SER INCUIDOS NA PROPOSTA.

As candidaturas serão formalizadas mediante a apresentação de uma proposta técnica e financeira contendo os seguintes termos:

 Uma proposta técnica

  • Nota explicativa sobre a compreensão dos termos de referência e as razões para o pedido;
  • Breve apresentação do suporte metodológico e organização da missão;
  • CVs incluindo a experiência adquirida em projetos similares e 3 referências e respetivos contactos;

 

 

 

5. PROPOSTA FINANCEIRA

Uma proposta financeira

A fim de facilitar a comparação das propostas financeiras pelo serviço requerente, recomenda-se que os candidatos apresentem uma repartição do montante proposto. O requerente deve especificar nesta repartição orçamental as taxas e todos os custos associados, tendo em conta o número de dias de trabalho previstos, bem como o número de dias no terreno, tal como descrito na proposta técnica.

 

 

 

 

 

 

 

6. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Critérios

Peso

Pontuação máxima

Técnicos

70%

100

Possuir um diploma de ensino superior na área de Economia, Estatística, Comércio ou áreas afins.

5%

           5

Pelo menos 10 anos de experiência no desenvolvimento de MCS/MGBCs num contexto semelhante de um país em desenvolvimento.

20%

20

Conhecimento das questões de comércio exterior

10%

10

Ter previamente realizado um ou mais estudos semelhantes a este.

15%

15

Metodologia : (20 pontos max.)

20%

20

Compreensão dos TOR : 7,5 pontos

 

 

Abordagem metodológica : 7,5 pontos

 

 

Planeamento: 5 pontos

 

 

Financeiro

30%

30

Pontuação Total (Pontuação Técnica *0,7 + Pontuação Financeira * 0,3)

100%

100